José Luís Martins

“Inovação, força e sustentabilidade. A woodone é uma força em expansão.”

Eficiência energética, mobiliário técnico, soluções à medida, inovação e paixão pelo trabalho, são os pontos que tornam a WoodOne única e uma força de trabalho. Espreite o que o Presidente José Luís Martins tem a dizer sobre o percurso da empresa, a vitalidade da produção e as competências intrínsecas de uma empresa que se renova a cada instante.

O que é a WoodOne na sua essência?
A WoodOne é uma indústria vocacionada para a área do mobiliário técnico, desde escolar, biblioteca, escritório, hospitalar, residência sénior e hotelaria. Dentro destas áreas temos várias linhas de produto próprio, e desenvolvemos também soluções à medida para os vários clientes nos diferentes segmentos de mercado.

Em que projetos a Woodone se diferencia da concorrência?
Efetuamos implantações de vários espaços sem imputar nenhum custo para o cliente. Dessa forma o cliente pode verificar e analisar a disposição do mobiliário antes de tomar qualquer decisão. Conseguimos também personalizar com a marca ou logotipo do cliente os produtos que fabricamos. Desenhamos e desenvolvemos linhas de mobiliário em conjunto com o cliente de forma criar projetos únicos e ajustados a cada necessidade.

Quais são as principais competências distintivas da WoodOne?
Atualmente detemos internamente a totalidade do processo produtivo quer a nível de marcenaria, quer a nível de metalomecânica. O que os permitiu reduzir de forma substancial os prazos de entrega das encomendas dos nossos clientes. O forte investimento nos últimos 2 anos em tecnologia de ponta para equipamento industrial, conseguiu aumentar as economias de escala e conseguir captar encomendas de maior volume. A nível técnico, temos vários designers que nos permitem responder a todas as solicitações de clientes e a nível comercial, temos uma equipa presente em todo o território nacional e nos mercados externos que elegemos.

Como conseguem atingir uma multiplicidade tão grande de clientes, que vão desde bares, restaurantes, hospitais, escolas, bibliotecas e escritórios?

Pelo menos há 10 anos que ampliamos o objeto da empresa, para complementar outras áreas onde o mobiliário é aplicável. Passamos do mobiliário escolar, facilmente para outas áreas como a saúde, efetuando implantações de residências séniores e hospitais. O mobiliário de escritório quando assumimos a gestão da empresa, já nos era intrínseco. Havia já uma larga experiência da equipa técnica e comercial. Quanto à restauração e à hotelaria, foram propriamente os nossos clientes que nos lançaram alguns desafios, a que conseguimos responder e que nos proporcionaram o arranque para essas soluções.

A tecnologia de ponta que a WoodOne usa é um factor essencial na sua diferenciação. O uso de 100% de energia solar permite assumir a empresa como única neste campo. Que batalhas técnicas e de produção foram necessárias para criar estas condições?

A sustentabilidade energética é algo que estava pensado há vários anos, mas por questões de espaço e orientação solar, só foi possível com a passagem para estas novas instalações em Lordelo, a realização desse investimento. Foi efetuado um estudo para rentabilizar a exposição solar de forma a obter o máximo de eficiência energética. A nível de produção até temos excesso de capacidade energética no pico do Verão, que não estamos a aproveitar, por imperativos legais.

A exportação é um ponto irrefutável na vossa posição no mercado, qual é a vossa estratégia?
A internacionalização da WoodOne é uma condição indispensável para o desenvolvimento e a sustentabilidade da WoodOne a médio e longo prazo, estamos presentes em 3 continentes, Europa, África e América e será sobretudo nestes que procuramos encontrar novas parcerias e oportunidades de negócio para rentabilizar o investimento recentemente efetuado. Estamos também a visitar e a participar em vários certames internacionais para alcançar maior notoriedade no mercado.

Qual é o caminho de futuro da WoodOne?
O caminho será através da inovação e melhoria contínua na organização aos vários níveis técnicos, comerciais e de infraestruturas e a prossecução da estratégia de internacionalização na conquista de novos mercados.

E a si, o que gostava que o futuro lhe reservasse?
Gostaria que a empresa continue na sua rota ascendente e que isso permita reforçar a posição de mercado assim como continuar a melhorar as condições de trabalho de todos os colaboradores, assim como as soluções finais apresentadas aos clientes.