Restaurante 34

 

A encomenda vem da necessidade do cliente mudar um restaurante existente para um espaço maior, sem perder algumas características do antigo espaço – intimista, com elementos vegetais e elementos em madeira que conferem identidade ao restaurante. Esta condição levou-nos a explorar um conceito estético-espacial que pressupunha uma abordagem desconstruída do movimento “art nouveau”, desde características cromáticas (castanho/verde), às formas curvas/ondulantes e assimétricas que estruturam o espaço, a repetição de elementos decorativos (madeira dos tetos e sancas) ao invés dos “entrelaçados” típicos deste movimento artístico, bem como a utilização de elementos vegetais, desintegrados dos elementos estruturantes do projeto. O novo espaço, em pleno centro histórico da cidade de Guimarães, caracteriza-se por uma parcela tipicamente medieval que define um edifício com uma geometria irregular, que afunila até ao logradouro. Perante esta característica espacial, decidimos circunscrever as salas com elementos ao nível do solo e ao nível do teto, através de sofás corridos, concorrentes com sancas ao nível dos tetos, que nos permitiam embeber infraestruturas técnicas. Com esta opção pretendíamos fluidez no espaço e diluir a sensação de irregularidade espacial. Entre esses elementos exploramos uma dualidade entre identidade da marca e identidade construtiva: de um lado, as alvenarias originais do edifício em algumas situações, após remoção de
revestimentos adicionados ao longo dos anos), que nos reportam à génese construtiva do mesmo, e na parede oposta, os elementos vegetais, identidade da marca. Os tetos em madeira, circunscritos pelas referidas sancas perimetrais, pretendem recriar o ambiente do antigo restaurante, aproveitando o sentido longitudinal das salas para dar sensação de profundidade, bem como permitir mover ligeiramente os pendurais de iluminação, consoante localização das mesas. A intervenção abrange os 3 primeiros pisos do edifício, a 1ª sala ao nível do Rés-do-chão, a cozinha no 1º piso (entre salas) e a segunda sala com zona lounge no 2º piso com as instalações sanitárias situadas nos patamares de transição entre pisos. A matriz conceptual é fortemente implementada nas salas, com exceção da derivação efectuada na zona lounge que serve de antecâmara para a sala do piso 2, o único espaço ortogonal que pretende provocar efeito-surpresa sobre a vista privilegiada para a Praça do Toural, coração da cidade de Guimarães.